MISTY PICTURE (2021)

  • Experimental
  • 17min

Há cerca de vinte anos, as torres gémeas do World Trade Center de Nova Iorque foram alvo de um ataque terrorista sem precedentes. O mundo assistiu em direto, através da televisão, ao que se tornaria um dos acontecimentos da história recente mais mediatizados e num trauma coletivo de proporções inimagináveis. Mathias Müller e Christoph Girardet trazem-nos outro tipo de imagens – não as da catástrofe – mas que também contribuíram para a construção da memória coletiva: uma coleção exaustiva de sequências recolhidas de vários filmes em que as torres são a personagem principal, talvez a forma como quase todos nós as conhecíamos. A cadência e a intensidade da montagem são conjugadas com a música de modo a criar um efeito dramático e evocativo. Ao ver o filme, é para todos impossível deixar de recordar o que viria acontecer a seguir. Müller e Girardet aprofundam os jogos psicológicos que estabelecem com os espectadores, desenvolvendo uma linguagem muito própria em que a apropriação de imagens de outros filmes serve um propósito específico, por isso mesmo, justificando-a. Esta dupla tem sido uma das presenças mais regulares nas competições do Curtas Vila do Conde, nas quais granjearam diversos prémios, mas também os autores da exposição de inauguração da Solar – Galeria de Arte Cinemática enquanto espaço permanente, integrando igualmente outros programas do festival e exposições na galeria. (MM)

About 20 years ago, the twin towers of the World Trade Center in New York were the target of an unprecedented terrorist attack. The world watched live on TV what would become one of recent history’s most mediatized events, in a collective trauma of unimaginable proportions. Mathias Müller and Christoph Girardet present us another type of images – not the catastrophe ones – that yet have also contributed to the construction of our collective memory: an exhaustive collection of footage gathered from several movies in which the towers are the main character, perhaps the way most of us knew them. The cadence and intensity of the editing are conjugated with the music in order to create a dramatic and evocative effect. Watching the film, it is impossible for anyone to not remember what would happen next. Müller and Girardet deepen the psychological games they play with the viewer, developing a very unique language in which the appropriation of images from other movies serves a very specific purpose, therefore justifying it. The duo has been one of the most regular presences at Curtas Vila do Conde’s competitions, in which they have snatched up many awards. In addition, they were also responsible for Solar – Cinematic Art Gallery’s inaugural exhibit in its opening as a permanent space and have been part of other programmes at the festival and exhibits at the gallery. (MM)

Country

Germany

Studio

Christoph Girardet & Matthias Müller