DANS LE SILENCE D'UNE MER ABYSSALE (NO SILÊNCIO DE UM MAR ABISSAL) (2021)

  • Documentary
  • 19min

Juliette Klinke convida o espectador a conhecer imagens esquecidas pela história, por quem a constrói e a faz perdurar no tempo. A curta-metragem “Dans le silence d’une mer abyssale” foi realizada a partir de fragmentos de filmes produzidos por mulheres, encontrados durante a sua pesquisa para a produção de uma longa-metragem que contará uma das suas histórias possíveis. A realizadora parte para esta investigação motivada pelo seu envolvimento com o coletivo Elles Font Des Films, um grupo de realizadoras belgas intencionadas a construir um lugar de visibilidade da história das mulheres no cinema. Numa deriva pelos silêncios destas imagens, transparece a urgência de Juliette Klinke em construir a sua duração no tempo e nos espaços do presente. Vemos imagens que não fizeram parte da construção das nossas sensibilidades, dos nossos modos de ver. Refletimos sobre um mar de imagens às quais perdemos o rasto, pela condição fragmentada e precária das mesmas, pelas temáticas, ou entidades que não tiveram um lugar ou uma voz que reverberasse no tempo. Questionamo-nos sobre o lugar de outras imagens: o que ficou e o que fica por ver? Que papel temos na construção desta história? (BC)

Juliette Klinke invites the viewer to discover images forgotten by history, and by those who write it, making it endure the test of time. The short film “In the silence of an abyssal sea” was made from fragments of movies produced by women, found during her research for a feature that will tell one of these many stories. The director starts this investigation motivated by her involvement with the Elles Font Des Films collective, a group of Belgian filmmakers intent on creating a place of visibility for the history of women in film. Wandering through the silences of these images, Juliette Klinke’s urgency in establishing their endurance in time and in the present arena becomes evident. We see images that were not part of what molded our sensibilities, our gaze. We reflect on a sea of images easy to lose track of, due to their fragmented and precarious state, their themes, or subjects that did not have a place or a voice that reverberated in time. We question ourselves about the status of other images: what remained and remains to be seen? What is our role in making this history? (BC)

Languages

French, English

Subtitles

English, Portuguese

Country

Belgium

Studio

Flim!